Menu

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Verificação
informe os caracteres da imagem


Imagine você ir a um velório e, em vez de encontrar choros, expressões de tristeza e silêncio, você encontre chope e uma bela moda de viola. Foi isso que aconteceu na cidade de Cascavel, no interior do Paraná ( PR), na última quarta-feira (27).  Durante o velório do mecânico João Ferrari, 70 anos, seu filho lembrou-se de uma promessa mútua feita por eles: a de que o primeiro que morresse iria proporcionar um velório alegre com chope e moda de viola.

Ao serem informados da promessa, os parentes hesitaram em atender o último pedido do falecido, mas acabaram fazendo jus à memória do avô, conhecido pelas piadas e risadas.”Ele [o avô] e meu meu pai estavam bebendo um dia e prometeram que não queriam nada triste, que ninguém ficasse chorando, quando partisse. Meu pai providenciou o chope e a música na hora. As pessoas ficaram meio  acanhadas, mas meu pai foi servindo todo mundo. Erguemos os copos perto do meu avô. Fizemos um brinde e uma oração” contou o neto do mecânico, João Vitor Ferrari, 18 anos. O “velório festa” foi realizado em um dos recintos da Administração dos Cemitérios e Serviços Funerários de Cascavel (Acesc).

Os parentes encomendaram o chope preferido de João Ferrari, da marca “Providência”, e quem chegava ao local era servido do lado de fora da sala onde estava o caixão do idoso. Ao fundo, podia-se ouvir as músicas favoritas do morto com a viola de Almir Sater sendo executada em gravação.

Nas redes sociais, o gesto dividiu opiniões. Alguns internautas elogiaram a forma como João Ferrari se relacionava com a morte, enquanto outros consideraram o chope e a música algo fora do tom. “Eu penso pelo lado dele. Ele não gostaria que a gente perdesse tempo chorando, ficando deprimido. Comentário negativo sempre tem para tudo. É uma boa maneira de lidar com a morte, porque eu acho que foi imposto isso de ser uma coisa triste, ter que ficar de luto. Não tem que ser assim. Ele era uma pessoa muito animada, gostava de beber uma cerveja, um vinho, falar. A imagem que a gente tem é dessa pessoa alegre, sempre sorrindo”, comentou o  DJ responsável pela seleção de músicas.

João Ferrari foi sepultado na última quinta-feira (28). Segundo os familiares, ele ficou doente de repente. Após contrair uma gripe, pegou uma pneumonia, que causou sua morte. “Mas afirmo que ele aproveitou a vida até onde deu”, comentou o neto.

Tenha você também a sua rádio